Periodização Tática no Futebol

O termo Periodização Tática vem sendo muito discutido no futebol. Na periodização tática, nada ou quase nada tem a ver com rendimento físico puro. Nesse conceito, tudo é dependente do modelo de jogo, organizado em princípios, sub-princípios e sub-princípios dos sub-princípios de jogo. Ainda podemos reforçar que o conceito de fadiga está totalmente agregado ao desenvolvimento de situações- problema envolvendo exigências cognitivas em que os aspectos psicológicos, físicos e táticos estão embutidos. Enfim, podemos sugerir ou ainda definir que nessa linha de trabalho não há espaço para o preparador físico, decisivamente, salvo na sala de musculação, função esta que pode ser destinada, também, ao fisioterapeuta. Assim, no campo de trabalho, as questões motoras específicas da modalidade são destinadas ao treinador e auxiliares técnicos que, em perfeita sintonia, têm plena consciência do modelo de jogo (anteriormente mencionado) e trabalham apenas em função dele. Vejam a posição dos fisiologistas Daniel Portela e Marcos Maurício Serra nos vídeos a seguir, apontando os pontos positivos e negativos deste modelo de treinamento.

Artur Monteiro

  • Almiro Junior

    Totalmente horrível e sem conhecimento os comentários do sr. Dabiel Portela, deveria se informar mais, e buscar se aperfeiçoar, pois nada no futebol é concreto, tudo é renovável e constante. Busque os exemplos dos times do Mourinho, do Villas Boas, do Barcelona. Quem sabe assim comece a abrir um pouco a mente para deixar de lado esse pensamento antigo e pragmático.

  • Olá Luis, talvez não tenha me expressado bem, junte estas informações em forma de post (ponto de vista) para que eu publique no blog. Isso aumenta a visibilidade. Forte abraço.

  • Outra coisa importante relacionado ao que disse o professor no vídeo sobre períodos sensíveis a aquisição de determinada capacidade física:

    Sabemos através de estudos de diferentes profissionais, como Bompa, Weinek, Antonio Carlos Gomes, etc que algumas idades são mais propensas a ganhso de força, velocidade, resistência etc…lógico, se tivermos em vista o desenvolvimento desportivo como físico, teremos mesmo que dar “ênfase” em determinada valência, porém se pensarmos o futebol como desporto tático que é, veremos que esta força que deve ser treinada nos juvenis/junior, ou a velocidade nos sub 9/12 ou a resistencia nos sub 13/14 ou qualquer valencia, nada mais é do que um dos componentes do treino desportivo que não pode e nem deve ser estimulado em separado nem mais nem mesmo do contexto do jogar bem, devemos manter o equilíbrio entre as dimensões, e este equilíbrio é gerido pelo modelo de jogo, e só saberemos que tipo de físico queremos do nosso jogador, se soubermos como vamos jogar, portanto a ideia de perídos sensíveis, que é boa pois sabemos que fisiológicamente crianças são diferentes de adolescentes e adolescentes diferentes de adultos, porém não podemos reduzir o treinamento a dar enfase para sub-dinãmicas fisicas.

    As regras, tempos, bola de cada categoria já é a adaptação necessária a cada período, o tempo de treino é gerido pelo tempo de jogo, portanto em sub 10, em que se joga 2×20 / 25, treinaremos 40/50 minutos, levando em conta todos os detalhes da montagem de uma sessãi dentro de um contexto semanal e do nível de complexidade que envolve a idade do grupo de jogadores.

    Todos os períodos da vida do jogador são sensíveis ao bom futebol, e este é sensível ao bom treino, que por sua vez é sensível a um bom Modelo de Jogo!

  • Professor
    Obrigado pela disponibilidade.

    Bom, quando se fala em Periodização Tática é preciso ter muito cuidado para não falar bobagem. Estudo este assunto e quanto mais estudo mais vejo que é mais dificil do que eu imaginava, pois o treinamento convencional nos estabelece parãmetros físicos / fisiológicos muito mais confortáveis, é muito mais fácil periodizar levando em consideração a dimensão física do treinamento, porém é muito redutora esta ideia.

    Periodização Tática no fim das contas para mim é:

    Uma metodologia que busca a aquisição de hábitos e comportamentos, levando determinado grupo de jogadores, chamado de equipe a atingir uma velocidade contextual relacionada a um modelo de comportamento, que não pode ser atingida por outros metodos conhecidos hoje.

    Quando falo velocidade não falo de termos cíclicos ou acíclicos, falo em velocidade de tomada de decisão. Treinar um jogador a fim de que ele reduza seu sprint de 4,5 para 3,0 segundos é diferente de treinar seu jogador para definir em que espeço ele passará uma bola, em 500 milésimos de segundo reduzindo para 200 milésimos de segundo.

    Treinar isso é muito mais difícil, e o que é o futebol hoje? é velocidade, porém é mais do que velocidade de deslocamento, (esta por sua vez também é importante em certas posições).

    A Priodização Tática tem alguns princípios:

    Princípios metodológicos
    Princípios Específicos / Culturais
    Princípios Fundamentais
    Princípios do modelo de jogo

    Alguns destes explico melhor em:

    http://www.periodizacaotatica.blogspot.com

    Quanto a dimensão física do jogador, que é um erro comum a alguns utilizadores dessa metodologia, deve-se sim levar em consideração esta dimensão, pois sem ela não é possível realizar a dimensão tática, que é a dimensão que rege todas as outras, pois é impossível saber o que se deve atingir fisicamente, se não há modelo de jogo, se isso ocorrer a dimensão tática se torna abstrata, e descontextualizada, pois só saberei como meu time deve correr, se souber o porque ele deve correr assim, e isso em nada tem a ver com limiares, vo2 ou todas as nomenclaturas utilizadas pelo treino convencional ou integrado, pois estes processos interligam o JOGAR BEM, com os níveis de testes ´físicos, ou seja, o jogador vai jogar bem porque tem um VO² 60, não, jogar bem para a PT é cumprir o que é determinado pelo modelo de jogo, de forma que o jogador tem escolhas, e estas escolhas são dirigidas pelo Modelo de Jogo.

    Cada dia da semana tem uma propriedade específica em cada dimensão:

    Existe um morfociclo padrão, este em termos físicos determina algumas situações, mais ou menos próprias para determinada sub-dinãmica física, estas são:

    Força Específica ou Força Técnica / segundo Mourinho
    Resistência Específica
    Velocidade Específica

    Divide-se os dias relacionados ao fato de que alguns dias são melhores para recuperar, outros melhores para aquisição de comportamentos, e os comportamentos, por arrasto trazem consigo determinada sub-dinãmica física.

    Exemplo, quarta feira e um dia melhor para treinar, relacionado ao modelo e aos sub-princípios e princípios, a sub-dinãmica força, de forma contextualizada ao modelo, ou seja, treino isso dentro de um contexto de princípios que meu Modelo de Jogo exige, em exercícios que proporcionem isso, como ganho força em jogos reduzidos? Com espaços pequenos, em reduzido numero de jogadores em curtos tempos, e alta intensidade de concentração/participação.

    Circuitos de deslocamentos e saltos, mudanças de direção, todos estes são geradores de contrações exc~entricas em abundância, e isso por sua vez é um gerador de força, pelas suas causas fisiológicas ja conhecidas por todos os estudantes de educação física.

    A diferença é que estas contrações estão subjulgadas a determinado comportamento, e este é subjulgado a um comportamento maior. Ou seja, não se perde tempo!

    Normalmente em um morfociclo padrão se recupera ativamente as terças, se relaiza força as quartas, quintas se treina em regime de resistencia e sextas em regime de velocidade, porém ressalto, tudo isso é regido pelo modelo de jogo, nunca se realiza algo desconectado ao modelo, porém pode-se realizar exercícios mais ou menos específicos em relação a aquisição de hábitos, depende o objetivo, as vezes se recupera a mente, e se exige do corpo, ou vice-versa. mas nunca em sessões diferentes, ou sessões puramente físicas.

    Bom, estas são algumas considerações, o assunto é denso e dificil de planificar assim, porém vamos falando.

    Grande abraço professor!

  • Olá Luis, obrigado pelos esclarecimentos e por sua opinião. Caso seja de seu interesse, coloco à disposição este espaço para que esclareça de forma mais aprofundada este modelo de periodização. Tenho certeza que contribuiria muito para os nossos internautas Um abraço.

  • Com o grande União de leiria, clube o qual o levaria ao FC Porto, clube o qual em 2 temporadas, ganhou quase tudo o que disputou.

    Grande ABraço

  • Ah, o professor Daniel esqueceu de citar como José Mourinho conseguiu ficar em 4º lugar, no Campeonato Portugues, melhor colocação até então do clube em sua história, sem o Ibrahimovic.

  • Ah…me esqueci da dimensão psicológica / social, que também é condicionada pela dimensão tática.

  • Parabéns pelo programa professor, muito bom.

    Sinto em dizer que, o professor Dabiel Portela, conhecido fisiologista do SC Corinthians não tem conhecimento claro sobre o assunto Periodização Tática, notadamente demonstrada em suas opiniões no programa.

    Citou tantas coisas equivocadas que não vou nem repetir aqui, O MAIOR ERRO DE QUEM LÊ O QUE JOSÉ MOURINHO FALA, É DIZER QUE NÃO EXISTE FÍSICO QUANDO SE FALA EM PERIODIZAÇÃO TÁTICA…erro.

    O físico é fundamental, assim como o técnico e o tático, e estes são subordinados a supra-dimensão tática.

    Preperível a opinião do professor Marcos Serra ao lado, que, citou bem por cima um conceito básico sobre a Metodologia.

    Daniel, és um grande profissional, e não me atrevo a discutir fisiologia com você, pelo menos não hoje, porém, vc deveria ter a mesma posição em relação a Periodização Tática.

    Grande abraço!